Pesquisar neste blogue

08 março 2017

Amor Platónico


Mal te conhecia e vi em ti um sorriso malandro, como se de cumplicidade se trata-se.
Passávamos horas ao lado um do outro, sem muitas palavras, apenas sentimentos platónicos, que quase e sempre nos proibíamos a nós mesmos.
Chegar perto de ti, era para mim, o auge do meu dia, pois podia sentir em silêncio o mais perfeito dos amores platónicos alguma vez existente em toda a galáxia ou universo, que até então é do mínimo conhecimento humano.
A tua voz fazia-me estremecer de prazer, o teu olhar deixava-me segura e inquieta, fazia-me desejar percorrer todo o teu ser apenas com sopros e suspiros prazerosos até te levar ao mais intenso êxtase que alguma vez havias sentido.
Guardava tudo dentro do meu coração, mas principalmente da minha alma, de modo a sentir o mais puro dos sentimentos.
Conseguia sentir-te no mais íntimo do meu ser, mesmo que esse não fosse o teu desejo, sentia-me tão bem ao teu lado, que nem precisava palavras para sentir felicidade, amor, desejo, cumplicidade entre muitas mais sensações que qualquer ser, até então possa ter sentido.

by Lilly